Como prometido! Incluindo curiosidades para jogadores de Overwatch!

Conforme já havíamos antecipado, essa semana a cobertura da série American Gods vem em dose dupla. O episódio 2 saiu aqui no Brasil na última segunda-feira e já temos o nosso review especial de tudo o que vimos e achamos deste episódio. Confere aí e lembre-se de compartilhar com os amiguinhos!

S01E02 – The Secret of Spoon

Data de lançamento: 06/05 (EUA) / 07/05 (Brasil)
Exibido por: STARZ (EUA) / Amazon Prime (Brasil)

O episódio começa, assim como o primeiro, mostrando imagens do passado, onde um navio negreiro está a caminho da América em 1697. Vários negros estão acorrentados numa espécie de porão. Um dos homens inicia uma espécie de prece, implorando a alguém chamado Ananse que o libertasse das correntes e jurando fidelidade eterna a ele. Derrepente vemos uma aranha andando na madeira do navio e em outro momento vemos um homem negro de terno quadriculado que começa a dialogar não somente com o homem que fazia a prece, mas com todos os presos.

Ele é Compe Ananse (ou Kwanku Ananse), uma divindade mitológica africana que podia tomar forma de aranha no mito. Segundo a lenda ele é o responsável por trazer todas as histórias aos homens, que estavam sob o poder de Nyame, o Deus do Céu.

Ananse, interpretado por Orlando Jones, numa versão bem mais séria do ator. O deus conta aos escravos que não havia escapatória. Eles seriam escravizados por mais de 300 anos e quando a escravidão acabasse eles ainda seriam torturados, segregados e ficariam restritos a sub empregos no futuro. Sendo assim, segundo a retórica de Ananse, não havia motivos para eles não incendiarem aquele navio, uma vez que não havia escapatória.

O homem que inicia a prece concorda e Ananse liberta todos os escravos, que começam a incendiar o barco. A cena seguinte mostra uma aranha saindo dos destroços numa praia da América.

Aqui apenas mais uma introdução que a série está procurando dar para mostrar a chegada dos deuses na América. Fica claro que os deuses acompanham seus crentes, podemos assim dizer.

A transição para o presente acontece rapidamente, mostrando Shadow bastante machucado após o espancamento do episódio anterior, contando a Wednesday sobre o Techinal Boy. Wednesday promete que ele daria um jeito.

Eles partem logo após Shadow limpar a sua casa. Lá ele descobre mais provas da infidelidade da mulher. Após uma viagem por uma estrada de terra – não sabemos o motivo, mas ficou evidente que Wednesday não gosta de andar na autoestrada – Shadow e ele chegam a um mercado. Wednesday recomenda que Shadow faça compras, pois segundo ele, seria ruim chegar de mãos vazias a um encontro. Mesmo sem entender, Shadow parte para o mercado, onde temos o encontro com a segunda divindade moderna.

Quando Shadow passa pela sessão de TVs, a personagem de I Love Lucy parece falar com ele. I Love Lucy é um popular sitcom americano da década de 50 que ganhou vários prêmios, entre eles o de melhor sitcom de todos os tempos e serviu de inspiração para a criação de vários programas que o sucederam, inclusive aqui no Brasil onde era exibido pela TV TUPI.

Em American Gods, a personagem de Lucille Ball é interpretada pela fantástica Gillian Anderson. A ambientação do programa de TV e a maquiagem ficaram tão boas que eu não reconheci Gillian de primeira. Inclusive me assustei quando descobri e ainda não consegui associar a imagem da eterna Agente Scully.

Ela é a Mídia. A divindade moderna revela que ela não existe a muito tempo, mas já havia visto muita coisa e diz discordar do Techinical Boy. Ela faz uma proposta para Shadow trabalhar para ela. Engraçado é que Shadow desliga todas as televisões, mas Lucy continua sendo exibida e conversa diretamente com Shadow através dos monitores da loja. Shadow recusa e retorna para Wednesday e ambos continuam a viagem para Chicago.

Temos novamente a aparição meio que do nada de Bilquis. Ela absorve mais pessoas da mesma forma que no episódio 1. Depois vemos a mulher numa espécie de museu, admirando algumas joias que estavam em exposição logo abaixo de uma estátua de pedra. A cena dá a entender que as joias pertenciam a ela no passado.

Mais uma vez achei a cena sem propósito, a não ser que Bilquis tenha alguma importância vital mais para frente e esteja sendo apresentada aos poucos. Não entendi muito bem a função dela no roteiro.

Então voltamos para Shadow e Wednesday, onde eles chegam a uma casa de uma senhora que parece ser da russia. Ela diz se chamar Zorya e pertence ao grupo das três irmãos Zorya da mitologia Eslava: Zorya Utrennyaya, a estrela da manhã, Zorya Vechernyaya, a estrela da noite e Zorya Polunochnaya, a estrela de meia-noite. Pelo que entendi, a mais velha é a estrela da noite. A irmã que não aparece na cena é a estrela da meia-noite que está dormindo e não pode ser pertubarda. A que recebe os livros de Wednesday seria então a estrela da manhã. Na mitologia, as irmãs são responsáveis por guardar um cão que está acorrentado perto da Ursa Maior e que se for solto destruirá todo o universo.

Wednesday revela que as Zoryas podem ler o futuro. Curiosidade para os jogadores de Overwatch é que em alguns textos elas são chamadas de Zarya, como a personagem Russa do jogo.

Shadow não acredita e ficamos com a pulga atrás da orelha quando a Zorya mais velha lê seu futuro nas borras do café e parece mentir sobre o que ela está vendo.

A cena transcorre e vemos Wednesday conversando com um homem meio maltrapilho, com forte sotaque russo e que parece discordar de Wednesday. Ele chama o Wednesday de Voltan. A única referência de Voltan que achei é na mitologia Maya, mas não acho que seja o caso então não peguei esta referência. O homem com quem Wednesday conversa é Czernobog, deus eslovaco dos mortos e do caos. Czernobog é interpretado por Peter Stormare.

Após a refeição extremamente desagradável, uma vez que Czernobog da detalhes de como ele abateu os bois, temos a cena do jogo de damas onde o deus desafia Shadow e aposta sua vida. Então temos o vislumbre do martelo de Odin, obviamente diferente do que vemos nos filmes e quadrinhos da Marvel, mas ainda assim impressionante. Não sabemos porque Czernobog está com ele e Wednesday parece não estar disposto a lutar para recuperá-lo. Porém Czernobog diz que se Shadow vencer na partida de damas ele daria o martelo, mas se perdesse, ele morreria sendo abatido como um boi.

Como já era de esperar Shadow perde a partida e o episódio termina com a promessa de que Czernobog iria matá-lo na manhã seguinte.

Neste episódio ainda tivemos muitas apresentações e o objetivo do seriado ainda está meio distante. Odin parece querer reunir os deuses antigos para algum objetivo em comum, mas não sabemos qual é este objetivo e nem o motivo de Shadow estar sendo envolvido com isso. Eu ainda acho que Laura Moon vai aparecer, já que vimos a moeda do Leprechaun desaparecendo em sua cova no episódio anterior. Mad Sweeney não apareceu neste.

Percebemos também que o embate entre os deuses antigos e os novos parece estar no fundo da trama. As palavras de Mídia foram bem nesse sentido, dando a entender que eles também queriam recrutar Shadow, ou pelo menos tirá-lo do caminho.

E aí, o que está achando da série?